sexta-feira, 29 de junho de 2012

Tony Bennett & George Michael - "How Do You Keep The Music Playing?"

"I know the way I feel for her: it’s now or never!
The more I love, the more that I’m afraid, that in her eyes I may not see forever..."



Hoje sinto-me romântico. Eu sei, é uma grande décalage em relação ao estado espírito de ontem, mas ainda bem. Antes assim. E quando me sinto romântico, o mais habitual é recorrer a George Michael - a minha voz de eleição, no que toca a baladas. Mas se é verdade que ao longo da sua carreira, George tem no seu reportório um imenso lote de grandes baladas, este não é um desses casos. Ou melhor, é uma grande balada, sim, mas não foi composta por ele.

Numa altura em que a carreira de George Michael já se encontrava em fase descendente, Tony Bennett convidou-o para um dueto para o álbum de celebração do seu 80º aniversário.
O tema escolhido foi este "How Do You Keep The Music Playing?", um tema originalmente composto para o filme de 1982 "Best Friends". O filme consistia numa mera comédia romântica dos anos 80, com Burt Reynolds e Goldie Hawn, destinado a ficar esquecido nas traseiras de qualquer videoclube (espera, isso hoje já não existe...), mas isso não impediu que o seu tema principal ganhasse uma vida própria e assim se prorrogasse no tempo.

"How Do You Keep The Music Playing?" foi nomeado para o Oscar de Melhor Canção Original em 1983, tendo perdido para o célebre "Up Where We Belong", do filme "Oficial e Cavalheiro" (nome original "An Officer and a Gentleman"), interpretado por Joe Cocker e Jennifer Warnes.

"How Do You Keep The Music Playing?" fala sobre a dificuldade de manter uma relação duradoura e lidar com o lento abafamento da chama da paixão. Como é que se mantém a música a tocar? É difícil, de facto. Já todos passámos por isso. É difícil e, no entanto, é tão simples:

Rendição: "How do you lose yourself to someone? And never lose your way"
Amizade: "If we can be the best of lovers, yet be the best of friends..."
Adaptação: "Since we know we’re always changing, why should it be the same?"

Pôr isto em prática? Pois, isso já é outra história...

"If we can try with every day to make it better as it grows, with any luck, then I suppose, the music never ends."

2 comentários:

  1. É um estado de espírito bem melhor sim :)

    Eu não sou grande fã do George Michael. Não é que não reconheça a grande voz que ele tem, mas não me identifico muito com o trabalho dele. Já o Tony Bennett tem aquela voz capaz de derreter qualquer um lol Com 80 e tal anos e ainda aí está para as curvas :)
    Mas dentro dos grandes Srs da música, o meu preferido é o Frank Sinatra. Desde muito pequena que o ouço e foi ficando.

    Quanto a essa música (que não conhecia), é como dizes, na prática requer muita coisa... Gostei bastante da letra.

    E li hoje uma notícia que és capaz de gostar: http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=2640788&seccao=M%FAsica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quanto ao George Michael, como podes atestar pela quantidade de posts ali na barra lateral, eu sou um enorme fã do seu trabalho :)
      Sou fã, mas não incondicional... Era-o até mais ou menos 2004, quando ele lançou o álbum "Patience" e ficou à vista que ele já estava a perder o "vapor" da sua criatividade. Ainda mais afastado fiquei no ano passado, quando ele lançou um cover do "True Faith" dos New Order (tema que eu adoro), em que a sua voz aparecia totalmente irreconhecível, debaixo de uma manta de "autotune" (ou outro processamento digital qualquer) que eu abomino.
      Quando uma heresia destas é feita por um artista que até é sobejamente conhecido pela sua voz fantástica (uma das minhas preferidas, só atrás do Freddie Mercury), fica ainda mais difícil de entender.
      A somar a tudo, nota-se que a intenção do George (que ele próprio já expressou) é mover-se em direcção à música House, largando o Jazz e o Soul, que são os principais estilos que moldaram a sua música até ao final dos anos 90. Essa era a música que eu adorava no GM e eu até costumava dizer (antes de 2004), que não havia nenhuma música que ele tivesse cantado, que eu não gostasse!
      Hoje, infelizmente, já não é assim... É o caso do novo tema que ele vai lançar e que aí puseste. :/

      Em todo o caso, o ano passado fui a Madrid de propósito para o ver (http://escolhamusicaldodia.blogspot.pt/2011/09/george-michael-idol-live.html), na digressão "Symphonica", onde ele cantou uma série de "deep cuts" dos seus álbuns e de covers... e foi lindo, uma daquelas noites para recordar para sempre :)

      Eliminar

Let the music do the talking.